12 de jul de 2010

Catadora de conchas


Ultimamente, deu para ficar ajoelhada na beira do mar salvando as conchas que se atracam à areia. Uma a uma, devolve-lhes às ondas com medo de que fiquem ali para sempre. Quando vai entender que quem corre risco é ela? Sempre de cabeça baixa, está cada dia mais cega. Não enxerga que atrás de si o mar vai e vem o tempo todo trazendo novas conchas. Ela é que é sempre a mesma. Ela é que não sai do lugar.


Sabrina Davanzo

2 comentários:

Renata de Aragão Lopes disse...

Sabrina,

que texto fantástico!
Um dos melhores
que encontrei por aqui!

Deixou-me reticências...

Beijo,
Doce de Lira

Fabi disse...

Quantas vezes queremos mudar e nao conseguimos?
Quantas vezes queremos mudar e nao podemos?

...