27 de set de 2010

O amor nunca morre


O amor é um bonde onde embarcamos para viajarmos rumo a lugares mágicos e desconhecidos. Passamos ali uma parte deliciosa de nossas vidas até que o bonde para no meio do nada. Para alguns, o bonde dá sinais de que há algum problema, para outros a pausa é repentina. E então, é hora de desembarcar. Não há como seguir em frente. É quase certo que ficaremos perdidos, sem saber que a horas passará outra caravana.
Mais aí... Aí o bonde aponta lá no horizonte de novo e embarcamos rumo a lugares mágicos e desconhecidos outra vez. Porque o amor não morre, não tem fim.
O que acaba são os passageiros que nos fazem companhia nessa linda viagem. O que muda é quem senta ao nosso lado e segura nossa mão nas curvas perigosas, são os ombros em que recostamos nossas cabeças e sonhos enquanto descobrimos o caminho.


Sabrina Davanzo

9 comentários:

Poupée Amélie™ disse...

Ainda bem que o amor não morre, porque no fundo, no fundo, acho que ele é o combustível de um bonde chamado vida.
BeijO*

Marcello disse...

Oi Sabrina,
Bela analogia, realmente o amor é muito poderoso e muito mais profundo do realmente sabemos, existem ligações, conexões amorosas em todos os nossos caminhos.

Beijo moça.

Ellen Azevedo disse...

É verdade, amor não morre. Está sempre presente em nós. Encontrei amor aqui!

FABIANO VALENTE- artes, molduras e presentes. disse...

OI SABRINA!
AMO SEU BLOG! TODOS OS DIAS VISITO PRA VER SE TEM POSTAGENS NOVAS! TE ''CONHECÍ'' PELA PAPEL E TUDO... SOU CLIENTE DELES! DESDE ENTÃO, VIREI SUA FÃ MESMO! TE SIGO NO TWITTER TB! DEPOIS VISITE MEU BLOG E MEU SITE! SERÁ UM PRAZER INCOMENSURÁVEL!!! ABRAÇOS, JOANNA VALENTE!
fabianovalente.blogspot.com
www.fabianovalente.com.br

Everton Augusto Corso disse...

Olá Sabrina!
Magnífico este teu post.
Para além dele... Tem circunstâncias em que deixamos o bonde seguir viagem e tomamos outro rumo, novos caminhos. Então nos afastamos de algumas pessoas para nos aproximarmos de nós mesmos. Deixamos o outro à mercê dos descarrilamentos tanto quanto somos deixados. Mas uma coisa hão de não questionar, "o amor não morre, não tem fim".
Abraço de paz.

Renata de Aragão Lopes disse...

Lindo, Sabrina!

Também entendo a vida
como um trem que segue.

E que, de vez em quando,
pára em uma estação ou outra,
para que desçam
e subam passageiros...

Beijo,
Doce de Lira

Anônimo disse...

Sabrina, cada palavrinha sua consegue me deixar um tanto mais feliz....

Abraço carinhoso,

Evelyne.

♥ Evelin Pinheiro ♥ disse...

Que alusão perfeita!! Comparação demais mesmo! É isso... se um bonde der problemas ou xegar na estação final, o jeito é pegar outro!

Passa no meu blog?? Vc nunca mais foi lá! =/

BeijO*-*
http://evesimplesassim.blogspot.com/

Anônimo disse...

Maravilhoso Sabrina!
É reconfortante redescobrir que não que não se esta sozinha, "as vezes me sinto uma bala perdida".
Que mania de achar que isso só acontece comigo...rsrs
bjs
Adriana-Belém-Pa