9 de jan de 2009

Atrás da casa



Tenho, dentro de mim, um quintal cheio de árvore
cada conquista é um fruto
cada perda, um luto.
Nesse quintal me permito ser criança
cada movimento é uma dança
cada vez que a música para, cansa.
Esse quintal chamo de coração
teimoso, cada hora bate de um jeito:
na alegria bate manso,
na tristeza, acelera no peito.

Sabrina Davanzo



Um comentário:

Clara Gontijo disse...

E nesse quintal imagino que se aplica as estações do ano, em um ritmo bem particular... mudam também com as arritmias do coração.
Lindo texto Sabrina! Como sempre.
Parabéns!