29 de jun de 2009

Sem destino


Como uma frágil e pequenina pétala, estou a voar ao sabor do vento. Não há muito o que eu possa fazer a não ser esperar que ele perca sua força para só então me deixar parar, para só então eu entender onde eu deveria chegar.

Sabrina Davanzo



3 comentários:

BAR DO BARDO disse...

que delícia, ao sabor do vento...

teoriasimpossiveis disse...

Tudo que é feito ao sabor do vento tem mais cor. Bravo. Lunna

Renata de Aragão Lopes disse...

"para só então eu entender onde eu deveria chegar"

Que desfecho perfeito!
Que a pétala encontre,
em seu pouso,
o lugar ideal.

Todos somos pétalas
levadas ao vento...