29 de mai de 2009

Relógio


De repente, o tempo começou a andar devagar. Cada segundo é uma eternidade. Cada hora dura mil vezes mais do que deveria durar. Parece que os ponteiros se apaixonaram pelos números e não querem sair do lugar. A noite não tem fim e quando vem o dia, começa toda a lentidão de novo. 
Passa, tempo... Passa que eu também quero passar. 

Sabrina Davanzo

4 comentários:

BAR DO BARDO disse...

Nem me diga, Sabrina.

Eu estou meio dodói - e como o tempo demora...

Beijo.

- Henrique Pimenta

Bill Falcão disse...

Tem dias que o tempo parece um muro, quando deveria ser uma passarela.
Bjoooooo!!!

Neotenia disse...

...o tempo só demora a passar quando não deve...


Deveria ser assim nas nossas melhores horas... não acha?

Renata de Aragão Lopes disse...

Convido-lhe a conhecer meu blog, Sabrina!
Postei, anteontem, um poema sobre o tempo.
É algo muito surreal pra mim...