25 de mai de 2009

Primeiro Ato


Ficou ali, observando o passarinho na gaiola que voava pra aqui e pra ali todo atarefado. E comia. E cantava. E bebia água e voava baixinho e curto de novo.
- Não te cansas essa monotonia? Quanto tempo ainda há de aguentar, até que te tornes livre para viver?
O passarinho estufou o peito, afinou o bico e respondeu:
- Ora, pois eu já vivo. A vida é peça de teatro que não permite ensaios. Por isso, pouco importa onde instalaram o meu palco, trato logo é de ser um bom ator.

Sabrina Davanzo

7 comentários:

BAR DO BARDO disse...

Passarinho de Shakespeare.

Maria disse...

Lindo, lindo. Penso assim tb passarinho ^^

Meu beijo

james p. disse...

Olá,gostei muito de seu blog,de seus textos.Parabéns.Passo a segui-lo.Um abraço.

Susanna disse...

Perfeito, Sabrina!

nina rizzi disse...

bela metafora. metamos pra dentro estas ideias, hm ;)

beijo.

Neotenia disse...

Eu penso nas tuas palavras da seguinte forma:

"Fazer bem feito, independente das circunstâncias!"

No próximo treinamento ou aula que eu der vou citar você... escrever esse "conto" e fazer as pessoas refletirem!

Me permite???

Cris Siqueira disse...

isso está mais do que certo!!