31 de dez de 2008

Um ano velho


Hoje é dia 31. Último dia do ano.
Já sinto saudade das coisas que sei que não irão voltar.
Não realizei tudo o que tinha planejado mas, em compensação, vivi momentos que não esperava.
Foram muitas lições.
Conheci pessoas maravilhosas, iluminadas. Convivi com pessoas sombrias e tristes. Vi pouco os velhos amigos, apesar de sempre tê-los no pensamento.
Chorei minhas dores e a daqueles que tanto gosto. Fui amada e tive a alegria de sentir a veracidade desse sentimento em cada olhar.
O mundo mudou. Assisti à fatos que me deixaram perplexa.
Para alguns a esperança renovou as forças. Para outros ela nem sequer apareceu.
Sonhei alto. Voei até onde foi possível.
Mudei de emprego, de estilo, de casa. Reatei um relacionamento.
Aprendi a gostar mais da minha profissão.
Descobri outras realidades. Me tornei mais espiritualista. Pensei mais no próximo. Infelizmente, agi pouco em seu favor.
Tive vontade de desistir, persistir, de me entregar.
Viajei pouco. Li muito.
Cheguei ao meu limite no banco, na paciência, na credulidade. Depois, redefini esses limites. Aprendi que as situações exigem flexibilidade.
Tomei refrigerante.
Fui egoísta, ansiosa. Doei carinho, atenção.
Pensei mais no planeta e prometi fazer a minha parte para colaborar.
Durante esses 365 dias, agi exatamente como acreditei que deveria ser.
Não me arrependo. Foi um grande ano. Cheio de novas experiências.
Em meu calendário, cada mês de 2008 foi suficiente. Passei por todos eles e agora sigo em frente. Nesse ano, sofri alguns arranhões. O que é completamente aceitável quando se precisa atravessar um longo e desconhecido caminho para ser feliz. E eu fui. Muito.
Quanto ao que não aconteceu, não me culpo. Outros 365 dias estão para despertar. São tantas possibilidades que não posso me dar ao luxo de questionar o que não se concretizou.
A partir de amanhã é um novo ano. Não sei o que me espera. Fico com a certeza de que tudo permanece igual, embora com a adorável chance de se fazer diferente.
Feliz 2009!

Sabrina Davanzo




22 de dez de 2008

No Natal, às vezes o presente não vem...



Durante muitos anos, na véspera de Natal, ela seguia seu ritual.
Esperava por ele ansiosamente. Era um compromisso.
Em todos os lugares sua presença era sentida. Ele viria.
E assim, na noite do dia 24 ia dormir esperando pela visita daquele velhinho tão bondoso.
Quando bem pequena pedia a boneca do comercial, o brinquedo popular da época.
Quando um pouco maior pedia a roupa da moda, o disco preferido.
Ele nunca falhava. Sempre lhe atendia prontamente. O amigo caridoso de barbas brancas parecia simpatizar-se com ela.
O que ela não sabia era que nem todas as crianças eram ouvidas. Para falar a verdade, algumas eram completamente ignoradas.
Como ele podia deixar isso acontecer? Teria ele se esquecido? Talvez o tempo tenha sido curto para visitar os milhares de lares que abrigavam pequenos sonhadores.
Pobre Papai Noel... tão limitado às bicicletas e vídeo games.
Como poderia trazer de volta uma mãezinha que partiu ou um pai que não se conheceu o abraço?
Como alguém já tão velhinho teria forças para carregar uma cesta de alimentos tão pesada ou andar já tarde da noite a procura de um agasalho que coubesse direitinho em cada menino?
Não era culpa sua. Não tinha como se arranjar com tudo isso.
Se já naquela época ela soubesse das dificuldades do Papai Noel, teria se sentido mais agradecida com a vida. Quem sabe até solicitasse ao bom velhinho que atendesse ao menos uma vez aos que tanto pediam e nunca recebiam.
Mas ela não fazia idéia. Como imaginar que a vida não era colorida para todos? Como aceitar que os sonhos muitas vezes não se realizam? Ela era só uma criança.

Sabrina Davanzo


18 de dez de 2008

Mau dia



Há momentos que, sem querer, ela acaba por magoar as pessoas que lhe querem bem. Não é de forma alguma intencional. Não lhe agrada essa sensação.
De gestos meigos e palavras doces, não é de se esperar que ela possa dirigir a alguém tão querido palavras rudes.
Mas ela, tão igual a tantos outros, é falível e sente, muitas vezes, a fraqueza lhe invadir a alma.
Tudo isso certamente tem a ver com a vida e a forma como ela a encara. É de se compreender que vez ou outra não saiba como lidar com os acontecimentos.
Certo mesmo é só fato de que por mais que se perca, nunca perde sua ternura.
Tão logo essa dor e angústia em forma de tempestade passe, ela já é a mesma de sempre.
Não a tenha mal. Não sofre ela de neurose ou transtornos do humor.
Diga se há no mundo alguém que em dado momento não deixou a mostra suas limitações e falhas.
Esteja certo de que nessas horas tempo é o melhor remédio. Com ele tudo se acalma. A poeira se assenta. O bem-querer se faz novamente presente.
Perdoe-a. Nem todos os dias são bons. Isso a assusta.

Sabrina Davanzo






Livraria




Ela é fascinada por livros. Suas histórias a instigam tanto quanto a forma como cada autor vai, palavra por palavra, dando vida ao que antes era só uma página vazia.

Às vezes, questiona se cada personagem contém um pouco da história de seu próprio criador. Acredita que toda narração, poesia, conto ou versinho que seja vem impregnado de fantasias de quem os escreve. E toda fantasia é feita de pequenos fragmentos de realidade que se perdem no tempo. Pensa no quanto deve ser sofrido... não... não sabe se é essa a expressão correta.. talvez seja doloroso... no quanto há de ser doloroso transcrever para uma folha de papel as dores, amores, aventuras de pessoas e seres que até então só vivem dentro do próprio autor. Como deve ser difícil escolher a palavra certa para se dizer algo. Algo que, se dito de forma errada, não cativa o leitor. E isto, ela confessa: é bem parecido com a vida real. Em algumas situações, dependendo do momento, faltam palavras para expressar uma vontade, um sentimento. Em outras, elas saem aos atropelos e além de não cativar, acabam desencantado. Para ela livro bom é aquele que já passou por várias cabeceiras, estantes, mãos e gavetas. Adora livrarias de livros usados. Estes que antes foram produzidos em série, sem um toque amigo de um leitor fiel , e que agora já trazem suas próprias experiências. Esses são diferentes. Ficam dispostos nas estantes narrando não só a história para a qual foram propriamente criados, como também a de seus donos. Geralmente, em suas primeiras páginas trazem dedicatórias, declarações de amor, amizade explícita, carinho de familiares. Palavras de incentivo, força, estímulo. A história do livro começa já na página de apresentação contando antes a história desses personagens particulares. Em outros é possível encontrar o nome do comprador e a data da aquisição. Quis ele possuir aquela história para si mesmo e datou para jamais esquecer quando foi que ela entrou em sua vida. O que teria ele ou ela feito quando terminou de ler? Guardou por algum tempo? Desfez-se logo? Quanto daquela história ainda o marca? Quanto aprendeu com ela? Ela, que lê muito, guarda palavras, trechos tão absurdamente lindos de personagens heróis e desvalidos. Tem um caderno especial para anotá-las. Não pode confiar somente na memória. Não pode deixar de eternizar de novo e de novo palavras que fazem tanto sentido dentro de si. Talvez, essa seja mesmo a finalidade dos livros. Trazer um pouco de sentido ao caos particular que existe dentro dela. Tanto deve ser, que por muitas vezes se pegou refletindo em como se parece com esse ou aquele personagem. E que bem eles fazem a ela. Não consegue compreender como algumas pessoas não gostam de leitura. Ela, antes de a descobrir, e isso se deu muito cedo, tinha cara dela mesma. Hoje ela tem cara de mundo porque a leitura faz com que cada página lida seja um aprendizado. E cada aprendizado é um pedacinho de horizonte que se ajeita um pouco mais para se tornar infinito. Por isso a paixão pelas letras, pelas histórias e todos aqueles que fazem parte dela. Também se arrisca a eternizar em folhas brancas um pouco de suas fantasias. Coisas simples. Nunca com a maestria dos grandes autores. Mas sempre carregadas de sentimentos. Sentimentos que ela vê despertarem dentro de si, quando lê palavras que a emocionam.

Sabrina Davanzo




15 de dez de 2008

Por que?



De tanto questionar a vida um dia acabou tendo respostas.
Ela que sempre quis respostas sólidas, concretas, o por que de tudo. Assim mesmo: separado, significando “por qual motivo” esse ou aquele fato aconteceu.
E foram tantos. Afinal, a vida é feita de fatos e a conseqüência deles são os atos.
Para ela, assim como para muita gente, era impossível agir se não houvesse um sentido, uma conexão entre um e outro.
Ela que já tinha enfrentado tanta coisa. Não podia mais viver sem explicação.
Cobrou de Deus, dos céus. Clamou por tudo que é santo e anjo um motivo para sua existência e a de tantos outros nesse minúsculo planeta chamado terra, sabe-se lá rodeado pelo o que.
De tanto esperar pela resposta, passou um bom tempo da vida sem aproveita-la como deveria. Por não entender como o amor funcionava, deixou escapar um belo rapaz que, em vão, esperou ser correspondido. Por não saber se existia um merecimento, recusou uma boa proposta de trabalho. Por não compreender os mecanismos da morte, não pode ser verdadeira em seus últimos momentos ao lado do pai, quando este se viu diante de grave doença.
E assim, de pergunta em pergunta, sem nenhuma resposta, seus dias foram ficando para trás.
Eu, narradora que sou, me atrevi entrar nessa história para, ainda que tarde, orientar esse moça e a quem mais possa se interessar. Ainda que sem autoridade digo que a vida não foi feita para se explicar. Existe sim, uma conexão às vezes mágica, às vezes sombria, em tudo o que nos acontece mas não nos cabe analisá-las.
Deixemos essa tarefa para esta força superior que move o mundo. Fiquemos com o verbo viver e façamos com ele o melhor que pudermos.
Para o bem ou para o mal, nossa história acontece agora. Não percamos tempo com explicações. Se o que acontece em cada dia já está programado ou não, não faz diferença, uma vez que eles chegam um de cada vez. Impossível mantê-los sob nosso controle.
E para terminar, conto a você que nossa amiga não foi tão feliz quanto podia. Questionou demais. E a resposta que teve foi um vazio angustiante onde nada ao seu redor fazia sentido. Esqueceu que seu único e verdadeiro compromisso era viver e fazer feliz aqueles que estavam ao seu redor.

" o essencial é invisível aos olhos."

Sabrina Davanzo

10 de dez de 2008

Um Lugar


Tantos anos presa àquele lugar que assistiu as suas frustrações e ânsias. Cada parede, cada esquina daquele pedaço de mundo era uma testemunha muda de sua vontade de sair dali.
Quando finalmente conseguiu, achou que jamais voltaria.
Tinha para si que casa é onde está o coração, e estava certa de que o seu nunca estivera naquele lugar.
Arrumou as malas como se arrumasse a própria alma.
Despediu-se com pesar afinal, não era pelas pessoas que não se sentia aceita.
Partiu.
Visitou lugares, conheceu pessoas e amores.
Experimentou sabores e emoções que certamente não conheceria se tivesse ficado onde estava.
Com uma curiosidade infantil, aproveitou cada segundo de estadia.
Depois de tantas velhas novidades a inquietude voltou.
Sentiu, pela primeira vez, vontade de ir para casa.
Ela se lembrou de que nada mais havia de estar do jeito que deixou.
Tudo se ajustou à sua ausência. O que ficou também teve um novo começo. Era assim que funcionava a adaptação.
Voltou. Chegou a tão pouco tempo e já se vê nos reflexos das vidraças, nos sorrisos dos vizinhos de outros tempos.
Foi preciso ter o pé em outras superfícies para conhecer a si mesma e suas origens. Ter certeza do lugar ao qual sempre pertenceu.
Hoje, ela sabe que partir não é uma obrigatoriedade, ir adiante é só mais uma escolha e que a volta é muitas vezes a melhor opção.
Sentir-se em casa não é uma questão de ambiente mas de adaptar-se a si mesma.
Hoje, ela pode estar em qualquer lugar porque sabe onde está seu coração.
Ás vezes, é preciso sair para se encontrar.

Sabrina Davanzo




9 de dez de 2008

Margarida


Margarida gosta de pensar e sentir de forma simples porque é assim que ela se entende.
Ela nunca soube falar de viagens a Disneylândia nem bailes no salão principal da cidade, mas sempre recorda com carinho as longas noites sentada na calçada com os amigos.
Ela também nunca teve um álbum de fotografia retratando os quatro cantos do mundo, mas seu álbum singelo mantém viva para sempre as amizades conquistadas e as experiências vividas. Tantos abraços e sorrisos.
Quando foi a vez de descobrir o amor, Margarida também não fez escândalo. Ele chegou tão discreto que era como se já estivesse ali há muito tempo.
Sua vida é feita de uma sucessão de pequenas emoções, diferente da grande maioria que vive de gritos e agitações.
Tudo o que Margarida vive é doce e cheio de significado. Reflete sorrisos e lágrimas alegres.
Poucas vezes ela se questionou sobre não viver uma vida intensa.
Ela sempre imagina que a felicidade mora dentro de cada um e esse cada um é quem vai decidir com que medida usa-la.
Margarida prefere que a sua seja assim: “diária e modesta”. Ela prefere não viver cada dia como um capítulo final de novela, mas como se todos os dias a história estivesse apenas começando.

Sabrina Davanzo



6 de dez de 2008

Encontro



Algumas pessoas são cores e música. Ele é assim. Antes dele ela só respirava devagar.
Então ele apareceu. E as cores e os sons. Cores desbotadas com um quê de dor alegre. Amarelo, rosa, verde. Na parede. Dança no meio do quarto.
Como explicar o que sentem? Fechando os olhos. A resposta está lá dentro, no lugar onde mora o Coração.

Sabrina Davanzo


1 de dez de 2008

chegou dezembro


Chegou dezembro.
Todas as luzes nas casas e nas ruas se acendem. Uma combinação de cores para lembrar que o Natal está próximo. Enquanto fazem sua coreografia de apagar, acender, piscar, tornam o ambiente cheio de uma magia que não se explica.
As ruas se tornam repletas de verde, vermelho, prata, dourado.
Cores que o ano todo se comunicam separadamente, nesta época se unem para comunicar a chegada de um sentimento maior.
Cartões de confraternização chegam trazidos pelo correio ou pelo e-mail. E assim, virtual ou analogicamente nos sentimos abraçados e amados por aqueles que fazem parte de nossas vidas, ainda que distantes.
Em dezembro, aumentamos infinitamente as arrecadações do mercado comprando lembrancinhas para quem esteve presente ao nosso lado o tempo todo, não importando o que acontecesse.
Sem saber bem porque, nesta época o coração sente um apertozinho e é hora de fazer um balanço.
“o que foi que eu realizei? Em que momento poderia ter agido diferente? Quanto eu aprendi? Quantos amigos fiz este ano? De quantos me afastei?
Quantos sorrisos, abraços ofereci?”
Talvez pela incerteza do que está por vir no próximo ano, talvez por que só agora tivemos tempo para refletir, é nestes últimos trinta dias que fica mais forte o amor que sentimos o ano todo e não demonstramos.
Nessa época, nossa vontade de ser bom se aflora e nos atrevemos até mesmo a pegar uma cartinha de uma criança carente destinada ao papai-noel para realizar seus desejos. Ainda que ela tenha passado necessidade todos os meses, só em dezembro conseguimos voltar nossos olhos para além de nós mesmos e nossas vidas agitadas.
Bendito seja o espírito do Natal. Seja ele um velhinho gordo e bondoso ou um sentimento maior e mais puro que se desperta em cada um de nós.
Só o que desejo é que ele não passe. Que ele, ao chegar janeiro não nos abandone. Só assim a humanidade poderá compartilhar todos os dias essa bondade, essa vontade de ajudar o próximo, o desejo de tornar o mundo um lugar melhor.
Só assim quando o próximo dezembro chegar, ele não irá encontrar enchentes, atentados, fome, incertezas, doenças, maldade.
O meu desejo é de que o próximo dezembro só encontre o amor que um dia ele mesmo despertou.

Sabrina Davanzo