15 de dez de 2008

Por que?



De tanto questionar a vida um dia acabou tendo respostas.
Ela que sempre quis respostas sólidas, concretas, o por que de tudo. Assim mesmo: separado, significando “por qual motivo” esse ou aquele fato aconteceu.
E foram tantos. Afinal, a vida é feita de fatos e a conseqüência deles são os atos.
Para ela, assim como para muita gente, era impossível agir se não houvesse um sentido, uma conexão entre um e outro.
Ela que já tinha enfrentado tanta coisa. Não podia mais viver sem explicação.
Cobrou de Deus, dos céus. Clamou por tudo que é santo e anjo um motivo para sua existência e a de tantos outros nesse minúsculo planeta chamado terra, sabe-se lá rodeado pelo o que.
De tanto esperar pela resposta, passou um bom tempo da vida sem aproveita-la como deveria. Por não entender como o amor funcionava, deixou escapar um belo rapaz que, em vão, esperou ser correspondido. Por não saber se existia um merecimento, recusou uma boa proposta de trabalho. Por não compreender os mecanismos da morte, não pode ser verdadeira em seus últimos momentos ao lado do pai, quando este se viu diante de grave doença.
E assim, de pergunta em pergunta, sem nenhuma resposta, seus dias foram ficando para trás.
Eu, narradora que sou, me atrevi entrar nessa história para, ainda que tarde, orientar esse moça e a quem mais possa se interessar. Ainda que sem autoridade digo que a vida não foi feita para se explicar. Existe sim, uma conexão às vezes mágica, às vezes sombria, em tudo o que nos acontece mas não nos cabe analisá-las.
Deixemos essa tarefa para esta força superior que move o mundo. Fiquemos com o verbo viver e façamos com ele o melhor que pudermos.
Para o bem ou para o mal, nossa história acontece agora. Não percamos tempo com explicações. Se o que acontece em cada dia já está programado ou não, não faz diferença, uma vez que eles chegam um de cada vez. Impossível mantê-los sob nosso controle.
E para terminar, conto a você que nossa amiga não foi tão feliz quanto podia. Questionou demais. E a resposta que teve foi um vazio angustiante onde nada ao seu redor fazia sentido. Esqueceu que seu único e verdadeiro compromisso era viver e fazer feliz aqueles que estavam ao seu redor.

" o essencial é invisível aos olhos."

Sabrina Davanzo

6 comentários:

Anônimo disse...

Que ilustrações mais lindas. São suas? Você vende?
Eduardo
edumegas@hotmail.com

Sabrina Davanzo disse...

olá,Eduardo!
As ilustrações não são minhas não. São da Irisz Agocs.
O blog dela é este aqui: http://artistamuvek.blogspot.com/

dá uma passada lá!
Abraços!

Anônimo disse...

Não sei se é vc que escreve esses textos...mas são lindos...descrevem minha alma!!
Poste sempre viu...

bjs

Sabrina Davanzo disse...

Ei, " anônimo"!
Sou eu mesma quem os escreve.. postarei sempre.. apareça sempre também!
Abraços!

Marlise disse...

Mais uma vez digo que seu texto é lindo! Sou muito de pensar também. E olhe, digo que não acho a vida fácil não...Já questionei muito também. Mas, neste sentido, hoje estou mais sossegada...

Sabrina Davanzo disse...

Pois é Marlise.. acho todos nós temos essa coisa de não aceitar as coisas boas ou ruins sem antes questionar um pouquinho..