9 de dez de 2008

Margarida


Margarida gosta de pensar e sentir de forma simples porque é assim que ela se entende.
Ela nunca soube falar de viagens a Disneylândia nem bailes no salão principal da cidade, mas sempre recorda com carinho as longas noites sentada na calçada com os amigos.
Ela também nunca teve um álbum de fotografia retratando os quatro cantos do mundo, mas seu álbum singelo mantém viva para sempre as amizades conquistadas e as experiências vividas. Tantos abraços e sorrisos.
Quando foi a vez de descobrir o amor, Margarida também não fez escândalo. Ele chegou tão discreto que era como se já estivesse ali há muito tempo.
Sua vida é feita de uma sucessão de pequenas emoções, diferente da grande maioria que vive de gritos e agitações.
Tudo o que Margarida vive é doce e cheio de significado. Reflete sorrisos e lágrimas alegres.
Poucas vezes ela se questionou sobre não viver uma vida intensa.
Ela sempre imagina que a felicidade mora dentro de cada um e esse cada um é quem vai decidir com que medida usa-la.
Margarida prefere que a sua seja assim: “diária e modesta”. Ela prefere não viver cada dia como um capítulo final de novela, mas como se todos os dias a história estivesse apenas começando.

Sabrina Davanzo



3 comentários:

Andrea Guim disse...

Caramba!!! Lindo!!! Mas penso que pequenos momentos vividos também possuem sua intensidade... è o que me deixa mais sã...

Denis disse...

Texto e ilustração lindos!

Marlise disse...

Deus do céu! Tenho certeza absoluta, que Margarida conseguiu ser muito, muito feliz!