18 de dez de 2008

Livraria




Ela é fascinada por livros. Suas histórias a instigam tanto quanto a forma como cada autor vai, palavra por palavra, dando vida ao que antes era só uma página vazia.

Às vezes, questiona se cada personagem contém um pouco da história de seu próprio criador. Acredita que toda narração, poesia, conto ou versinho que seja vem impregnado de fantasias de quem os escreve. E toda fantasia é feita de pequenos fragmentos de realidade que se perdem no tempo. Pensa no quanto deve ser sofrido... não... não sabe se é essa a expressão correta.. talvez seja doloroso... no quanto há de ser doloroso transcrever para uma folha de papel as dores, amores, aventuras de pessoas e seres que até então só vivem dentro do próprio autor. Como deve ser difícil escolher a palavra certa para se dizer algo. Algo que, se dito de forma errada, não cativa o leitor. E isto, ela confessa: é bem parecido com a vida real. Em algumas situações, dependendo do momento, faltam palavras para expressar uma vontade, um sentimento. Em outras, elas saem aos atropelos e além de não cativar, acabam desencantado. Para ela livro bom é aquele que já passou por várias cabeceiras, estantes, mãos e gavetas. Adora livrarias de livros usados. Estes que antes foram produzidos em série, sem um toque amigo de um leitor fiel , e que agora já trazem suas próprias experiências. Esses são diferentes. Ficam dispostos nas estantes narrando não só a história para a qual foram propriamente criados, como também a de seus donos. Geralmente, em suas primeiras páginas trazem dedicatórias, declarações de amor, amizade explícita, carinho de familiares. Palavras de incentivo, força, estímulo. A história do livro começa já na página de apresentação contando antes a história desses personagens particulares. Em outros é possível encontrar o nome do comprador e a data da aquisição. Quis ele possuir aquela história para si mesmo e datou para jamais esquecer quando foi que ela entrou em sua vida. O que teria ele ou ela feito quando terminou de ler? Guardou por algum tempo? Desfez-se logo? Quanto daquela história ainda o marca? Quanto aprendeu com ela? Ela, que lê muito, guarda palavras, trechos tão absurdamente lindos de personagens heróis e desvalidos. Tem um caderno especial para anotá-las. Não pode confiar somente na memória. Não pode deixar de eternizar de novo e de novo palavras que fazem tanto sentido dentro de si. Talvez, essa seja mesmo a finalidade dos livros. Trazer um pouco de sentido ao caos particular que existe dentro dela. Tanto deve ser, que por muitas vezes se pegou refletindo em como se parece com esse ou aquele personagem. E que bem eles fazem a ela. Não consegue compreender como algumas pessoas não gostam de leitura. Ela, antes de a descobrir, e isso se deu muito cedo, tinha cara dela mesma. Hoje ela tem cara de mundo porque a leitura faz com que cada página lida seja um aprendizado. E cada aprendizado é um pedacinho de horizonte que se ajeita um pouco mais para se tornar infinito. Por isso a paixão pelas letras, pelas histórias e todos aqueles que fazem parte dela. Também se arrisca a eternizar em folhas brancas um pouco de suas fantasias. Coisas simples. Nunca com a maestria dos grandes autores. Mas sempre carregadas de sentimentos. Sentimentos que ela vê despertarem dentro de si, quando lê palavras que a emocionam.

Sabrina Davanzo




2 comentários:

Marlise disse...

Lindo, Sabrina! Lendo seu texto não pude deixar de pensar em minha irmã, que também adora livros e muitas vezes usados. Lê sem parar. Acaba um e começa outro. Seu texto é ela escrita.

Sabrina Davanzo disse...

Ei, Marlise!
Bom ver vc por aqui de novo.. rs
Que bom que vc tem se identificado com alguns textos e percebido outras pessoas neles também.. Me faz sentir que não estou sozinha.. todos eles também tem um pedacinho de mim.. rs

Bjos pra vc!