11 de out de 2010

A busca

Todos os dias, nos mais diversos lugares e momentos, tenho procurado por você.
Pela manhã, ao despertar, te procuro na vontade de começar mais um dia, nas pombinhas que ficam ciscando a telha, no quarto desarrumado que deixo para trás.
Procuro-o na água quente que escalda minha pele, meu sono e leva embora um pouco da preguiça.
Saio à rua procurando em cada rosto desconhecido algum sinal teu.
Tenho te procurado na cadeira vazia ao meu lado na sala escura do cinema.
Tenho te procurado nas crianças que brincam despreocupadas nas praças movimentadas e nos casais apaixonados que não percebem essa agitação porque para eles o tempo parece ter parado.
Tenho te procurado na chuva que vem de encontro à janela da sala. Procuro-o nos sorrisos e palavras de carinho de cada amigo e também em seus puxões de orelha e risadas escancaradas.
Procuro-o durante a minha música preferida que toca no show da banda que gosto.
Tenho te procurado por toda a parte, nos livros, nos diálogos sem sentido, nas minhas horas de inquietação, nos origamis, nos desenhos que tenho tentado ilustrar, em cada letra que escrevo e nos passos de balé que ainda arrisco, em cada ruga que nasce em meu rosto.
Procuro-o no silêncio do telefone que não toca, nas reuniões do centro espírita.
Tenho te procurado na estrada que o carro desliza para me levar para casa, nos Ipês que enfeitam o caminho.
Procuro-o no raio de sol que incomoda meus olhos e na lua que ilumina a escuridão da terra.
Tenho te procurado no olhar de saudade do meu cachorro quando retorno depois de meses. Tenho te procurado no abraço curto que minha mãe me dá e nos passos mais curtos ainda que a minha afilhada ensaia.
Procuro-o a todo momento até no amor que acabou, até no pão com manteiga que como enquanto penso onde estarei daqui alguns anos.
Tenho te procurado no caminho que o ônibus faz quando saio do trabalho, na distância que há entre mim e aqueles que trago no coração.
Tenho te procurado nas notícias de milagres na TV.
Como sei que você não habita somente a luz, procuro-o também na solidão da cama vazia, entre meus pesadelos, nas lágrimas que brotam contra minha vontade, nas experiências e dores de quem amo.
Tenho te procurado nas tragédias que assolam famílias, vidas.
Procuro-o nos jovens que vejo abandonados à própria sorte nas ruas, naqueles que se prendem em vícios e nos velhinhos que repousam, solitários, em algum canto. Procuro-o na culpa de quem errou e se arrependeu. Procuro-o nas mãos que se estendem pedindo uma moeda quando na verdade desejam uma outra vida. Procuro-o nos leitos de hospitais e naqueles que carregam por toda a existência as marcas de uma deficiência.
Não há sequer um dia em que eu não queira sentir sua presença, saber onde você está, Deus. Saiba que eu não vou desistir. Vou viver te procurando, porque eu sei que você também quer me encontrar.

Sabrina Davanzo

2 comentários:

Poupée Amélie™ disse...

Lindo! Deus está em todos esses lugares e em todos os outros, porque Ele é onipresente.
BjO*

Ana Carolina disse...

Maravilhoso esse texto! Mostra como Deus pode estar em todos os lugares sem o vermos, mas como sentimos sua presença.
Beijos