21 de jul de 2009

Nascimento



Observavam o jardim ao entardecer. Os últimos raios de sol estabelecia uma cumplicidade alaranjada entre eles. Diante de uma roseira, ele sorriu, apontou para as flores que exalavam vida e suavidade e lhe perguntou: "Qual delas é você?". Com o olhar mergulhado em água que teimava em brotar, tocou um pequeno botão, tão fechado dentro de si que mal podia respirar, mal podia ser notado em meio a toda exuberância desabrochada a sua volta. "Sou esta aqui", respondeu num sussurro.
Observando-a com um misto de pena e admiração quis saber por quê. "Porque apesar de existir, ainda estou para nascer".

Sabrina Davanzo

5 comentários:

BAR DO BARDO disse...

Bonitinha...

Renata de Aragão Lopes disse...

Que bom!
Renasceste! : )
Beijo.

Neotenia disse...

"Porque apesar de existir, ainda estou para nascer".

LINDO!

Passei um tempo sumida por aqui... tinha esquecido como é gostoso ler suas palavras... Grande abraço!

Paula disse...

Oi, Sabrina,
Só pra avisar que vc foi citada no meu blog na entrevista da Ana Paula.
Bjos,
Paulinha

Clara Gontijo disse...

nossa... que lindo! que delícia ler isso, delícia que toca o coração, que faz até o olho brilhar... amei esse texto, amiga! Vamos esperar pelas flores, e vê-las desabrochar maravilhosas! a sua vai ter as formas e cores daquele sofá com cortinas de guardar sapatos!