11 de ago de 2010

Midnight in Chelsea


Midnight in Chelsea: http://www.youtube.com/watch?v=qtXCxjbBKks


Amiga, não sei porque hoje me deu vontade de ouvir Bon Jovi...
Um dos últimos clipes dele que me lembro de ter visto o lançamento foi Midnight in Chelsea. Coloquei para tocar. Não sei muito bem o que essa música fala a não ser que é meia-noite em Chelsea... também sei que ela combina comigo. É meia-noite em mim, amiga. É a hora do desespero, a hora que a mente pensa o que o corpo lutou o dia inteiro para não lembrar. É a hora que as assombrações escolhem para nos assustar.

Que saudade da nossa época, amiga. Ver o Bon Jovi no Programa Livre e dormir em paz, à meia-noite. Como eram tranquilas as nossas noites, nossos dias. Nem de longe se pareciam com a tristeza da música que ouço agora, muito menos com a que se instalou dentro de mim.
Será que um dia voltaremos a ter essa liberdade adolescente dentro da gente? Será que um deixaremos de nos preocupar com o passar das horas?
Queria que você estivesse aqui agora. Queria que estivéssemos em um outro tempo.
Em alguma parte da música ele fala sobre “kiss good-bye”... É meia-noite, amiga. Já não existem mais beijos, muito menos de adeus... Por que é que dói tanto? A música diz que “leva um tempo para se acostumar” (Takes a little bit of getting used to), pelo menos em Chelsea é assim. Ah, se eu pudesse me mudar para lá, amiga! Onde quer que seja esse lugar... se eu pudesse sair daqui e começar a respirar de novo... porque aqui é sempre meia-noite e faltar ar.
A gente já não tem mais aquela turma, amiga! A gente mal pode contar uma com a outra, mas eu sei que nós tentamos. Entre um cansaço e outro... mesmo longe, tentamos estar perto.
Eu estou procurando sobreviver por mim mesma, como na música (she's holdin' on to her own hand)... leva um tempo até eu me acostumar.

Vamos marcar um dia para nos encontrarmos e ouvirmos todas as canções que embalaram os dias mais felizes das nossas vidas. Vamos rever nossas velhas gravuras de astros do rock, do cinema. Vamos assistir aos nossos filmes preferidos. Vamos tentar reviver o passado ou pelo menos provar que ele não sufoca.
É engraçado o modo como a vida flui... Aqui estamos nós, vivendo numa cidade estranha, ao lado de pessoas estranhas. Cada uma fazendo a sua história, levando seus tombos. Hoje fui em quem caí, amiga. É meia-noite em mim e preciso da sua mão para me levantar.
E a vida não para... “nasce um bebê, morre um velho”... (Baby's born an old man dies) nós continuamos seguindo. Quem sabe para onde? Seria para Chelsea? Será que lá é sempre meia-noite?
Na nossa época tudo parecia eterno e eu gostava de pensar assim. Já imaginou que um dia não estaremos mais aqui? O que é que vamos deixar? Quem vai pensar em nós? Quem vai sorrir ao lembrar das nossas manias, amiga?
É meia-noite em mim e é nisso que estou pensando agora. Será que um pedaço de nós fica para sempre em alguém? Eu espero que sim, amiga. Eu desejo que sim.
Então é isso... preciso dormir... preciso sonhar... Nem que seja com um tempo que não volta mais.
Saudades do Bon Jovi visitando o Brasil... Ouvi dizer que ele vem aí.. vamos ao show? Pelos nossos bons momentos...

“takes a little bit of getting used to... It's morning when I go to sleep...”


Texto enviado por e-mail para minha amiga Carol


Sabrina Davanzo



Um comentário:

Poupée Amélie™ disse...

Sabrina, não sou a Carol, sua grande amiga, mas foi como se este texto tivesse sido direcionado para mim.
Aqui também é meia noite. Faz tempo que é meia noite.
BjO*