22 de nov de 2010

Cambalhota



Para ter uma ideia de como as emoções lhe chegam, imagine uma cambalhota. O mundo fica de cabeça para baixo, tudo fora do lugar por alguns instantes. A vida gira, gira e para, de repente, num solavanco. Não entende muito de gravidade, nem de física. Pensa que o assunto é de anatomia: um corpo dobrado, pescoço curvado e... virou!
Quando se estica, tenta perceber o lugar que estava normal, depois ao contrário e então, normal de novo. Ou será que é do outro jeito que é certo? Nunca vai entender. Só sabe que qualquer coisinha revira tudo.


Sabrina Davanzo


4 comentários:

Laguna disse...

Interessante! Além do sentimento inerente, seus textos são dotados de uma inteligência incomum. Nos levam a pensar simples.

Fátima Scanoni disse...

Estou lendo uma matéria na revista Época que aborda índices importantes sobre o comportamento das mulheres brasileiras na casa dos 20 anos e usa uma expressão:'adulto emergente', esta crise me pegou esta semana, ou melhor, essa cambalhota (correlação com a matéria)!Muito bom seu texto!

Everton Augusto disse...

O fazer e o re-fazer estão sempre implicados na incógnita do devir...
Abraço.

Fabiana disse...

Tô sentindo falta dos seus textos pra purificar a alma, Sabrina...cade vc?