1 de nov de 2013

Relógio de Ponto


Há algum tempo, ela nota que os dias nascem religiosamente no mesmo horário, à revelia da sua vontade.
Que sacrifício encará-los logo após despregar os olhos ainda preguiçosos e desacostumados à luz.
Toma o seu café insípido (é muito cedo para o paladar identificar o gosto de alguma coisa) e parte para as próximas 24 horas que ela nem pediu para viver.
Quanta emoção cabe em um dia?
Já teve um em que ela se apaixonou. No outro, despediu-se da mãe do melhor amigo, teve aquele que ela passou no vestibular e ainda um em que deu cinco pontos na testa.
Tem dias que ela preferia não despertar, queria ficar embaixo da coberta até o próximo sol raiar.
Já reparou que o cérebro não para um minuto? Quantos milhões de pensamentos na cabeça o dia todo? Isso às vezes cansa.

Ela queria pausas, mas a vida não as faz. Não espera o cansaço dela, nem a vontade de ficar mais cinco minutos na cama.
Caso ceda à tentação, o relógio de ponto da firma registra o atraso, descontando do salário as horas e minutos não aproveitados.
Di-a-a-d-i-a: não tem como fugir.

Sabrina Davanzo 

Nenhum comentário: