11 de dez de 2017

Sobre um transtorno (a) temporal

Uma tempestade se aproxima e eu me vejo completamente desprevenida.
Não há guarda-chuva, capa, marquise, só a minha pele assustada e cansada.
Eu quero me abrigar em casa... que casa?
Eu quero sair daqui...  para onde?
Eu preciso segurar a tua mão... cadê?
Na tempestade, todos os lugares parecem seguros e inalcançáveis demais para quem está de fora.
Parece errado correr pelas ruas pedindo que abram suas portas perfeitas, intactas e protegidas para me receber. É como se eu admitisse aos gritos no meio da rua: EU NÃO ESTOU PREPARADA!  
As gotas de água caem rasgando minhas emoções, o vento dói e não há nada a fazer além de observá-lo levar todas as minhas certezas, descabelar minhas idéias. Meus pensamentos se assemelham a uma verdadeira tormenta.
Já não sei mais o que é real. Estaria aquele raio prestes a cair bem em cima da minha cabeça? (por favor...)
As pesadas gotas de chuva turvam minha visão, encharcam minha confiança.
Das janelas embaçadas, as pessoas protegidas nem imaginam o caos que se faz aqui dentro e nem quantos destroços terão que ser dolorosamente removidos quando tudo acabar. Ninguém percebe o meu sinal de alerta.
A força da minha natureza - que eu desconheço, que me assusta - só eu devo enfrentar.
Meu corpo oferece alguns indícios de sobrevivência: a respiração se torna ofegante, a cabeça dói, o estômago se retorce, as pernas perdem a força, os joelhos se recusam a mover.
Eu não sei lidar com dias nublados... Não aceito meus pés se molharem nesse lamaçal, muito menos me inundar de algo tão invasivo.
Eu tento repetir mentalmente: calma, o sol vai aparecer, ele sempre volta... Tenha fé: deus há de mandar bom tempo! Amanhã é outro dia, com outra previsão...
Mas daqui a pouco essa tempestade tão familiar se aproxima novamente e eu me vejo completamente desprevenida...



 Sabrina Davanzo 

Um comentário:

Rojania Manffryne Oliveira disse...

achei incrível o texto, que os dias de chuvas possam sumir.