8 de jun de 2011

Faz de conta


Realidade é a gente que inventa. A gente pode brincar que é feliz e fica sendo. Igual quando se dedilha uma canção... quem faz o som senão as nossas próprias mãos?
A gente é capaz de fazer nuvem da poeira e nem sabe... só precisa levantar e sacudir.
A gente traz no peito uma máquina que fabrica sonhos só nossos, mas a máquina não funciona se a gente não der corda e emperra se a gente não usa.
E Deus lá criaria alguma coisa sem utilidade?
Tem que sonhar, tem que querer.
Eu sempre quero e aprendi a fazer colar com as lágrimas que caem quando um sonho sai meio torto. O sonho eu levo de volta para a forma, pra ver se ganha outro molde, e o colar eu penduro no pescoço que é pra tristeza ficar bonita.


Sabrina Davanzo


5 comentários:

Papagaio Mudo disse...

sua escrita precisa de um novo livro de papel...

abç


G.

Guilherme disse...

Deus é como Pai que não se preocupa com quais brinquedos ou brincadeiras Seu filho escolha brincar. Sabe que, ele está bem no jardim de Sol colorido. Acolhido, sua Alma não pode se machucar. E pode Seu filho escolher o que quiser fazer.

Alicia disse...

Gennnte, que blog mais lindo é esse?
Textos lindos, imagens maravilhosas. E muita chiqueza. Até livro é!

Talita Prates disse...

Muito, muito bonito, Sabrina.

Acabei de ler o seguinte, e achei que tem tudo a ver com o seu texto:

"o que faz sentido
é o que se inventa
o que se refaz
com assombro."
[Úrsula Avner]

Bjo,

Talita
História da minha alma

Renata de Aragão Lopes disse...

Que postagem mais linda, Sabrina!