12 de dez de 2011

Se você quer saber...



Eu estou tentando me adaptar aos nãos, procurando um sim entre as pedras que atravessam o meu caminho.
Tenho buscado força no único lugar onde eu sei que ela jamais vai deixar de existir: dentro de mim.
Alguns dias parecem ter vinte e quatro horas vezes dez; e outros, dezesseis.
Na maior parte do tempo chove, mas eu vou continuar olhando a previsão, esperando pelo tempo bom.
Desisti dos milagres. Não vou fazer planos para o ano novo, nem me impor resoluções. O plano é deixar as coisas acontecerem.
Chega de listas que em dezembro só provam que não fui capaz de cumpri-las. Não quero limitar meus sonhos, encolhê-los para que caibam em doze meses.
Não. Eu quero a liberdade de fracassar, de não ter tempo, nem dinheiro, nem vontade de fazer o que devia ter feito e não me sentir culpada por isso.
Eu quero exercer o meu direito de deixar a vida me surpreender.
Que venha a dor, o medo, o amor, a alegria, a paz. Eu serei sempre a mesma, as situações é que mudarão. Isso eu já aprendi.

Sabrina Davanzo