1 de out de 2013

passatempo





O tempo sempre chega. Elástico, vai e volta, dando saltos, prendendo-se.
Ora como uma gaivota cruzando os mares, ora como uma tartaruga, o tempo acelera e retrocede dentro da nossa consciência.
A vida passa voando ou é a morte que tem pressa?
O tempo é relativo.
Às vezes, parece que faz séculos quando só alguns anos se passaram. E, de repente, um minuto é uma eternidade.
O tempo pode ser ingrato, ter gosto de remédio. Pode ser amigo, cura, amnésia. Pode fazer bem ou fazer mal.
O tempo é um deus soberano que, do alto do seu templo, nos espia e se compraz quando tentamos controla-lo.
O tempo se materializa nas faces que atravessam os anos.  Eu já o tenho sentido nos fios de cabelo, nos joelhos, na visão.
Eu, que sempre tentei correr contra a sua direção, que achava que tinha todo o tempo do mundo, agora o encaro.
No confronto, percebo que é preciso reestabelecer uma relação. Uma convivência amigável, pois, a partir de agora, ele estará cada vez mais presente. Ouso afirmar que, no final, me restará apenas a sua companhia.
Ao tempo, só tenho um pedido a fazer: tome a firmeza da minha pele, se aposse dos meus cabelos, invada as minhas articulações, mas, por favor, deixe minha alma em paz. 

De quem já não corre e aprendeu a esperar.

Sabrina Davanzo