21 de dez de 2012

2013





Ano que vem...
A frase preferida para esta época onde o ano atual,
os últimos dias,
já não servem para mais nada.
A gente fica ansioso para o tempo passar
e os próximos 365 dias chegarem logo.
Não faltam planos, vontades, resoluções
para este começo totalmente novo
que o 1º de janeiro traz.
Da minha parte,
não me importo de começar o ano novo com tudo igual.
Como eu tenho andando modesta,
vou pedir que tudo permaneça.
Que eu continue amando e sendo amada com leveza.
Que eu continue confortável com minha profissão.
Que eu continue aproveitando a companhia de amigos e familiares queridos.
Que eu continue com saúde, alegria e paz.
Este foi um ano de colheita,
depois de um plantio realizado com muito esforço, dificuldades e solidão.
Hoje vivo num tempo de crescimento sem dor e com mais consciência.
Só tenho a agradecer
e pedir que tudo isso não mude.
Feliz tudo de novo!


Sabrina Davanzo



5 de dez de 2012

é assim...


Eu já não tenho mais sonhos de menina, ilusões de mulherzinha; não me imagino uma princesa no castelo, nem espero que encontrem meu sapatinho na escada e me salvem de uma vida entediada.
O que me resta, meu Deus, não é nada além dessa dura realidade de que as coisas são o que são. Que as pessoas não mudam porque a gente quer, que o sol não vai aparecer só porque marquei de ir ao clube no domingo.
Eu já parei de passar produtos milagrosos nos cabelos para mantê-los esticados, já parei de esconder a idade; não me engano mais com a ideia da eterna juventude. Então é isso, Deus? A vida é uma eterna aceitação. Desde a perda da nossa boneca preferida até o fato dos cabelos ficarem brancos. E ai da gente espernear. Revoltar, então? Pode não. Adianta nada!
Só para você saber o quanto eu me esforço, eu já deixei de lado também aquela mania de querer o que eu, por puro gosto seu, não posso ter. Mas fico me perguntando: abrindo mão tanto assim... o que vai restar do que eu quero para mim? 

Sabrina Davanzo