15 de mai de 2012

Bom dia!


Acorda!
Vai tirar das retinas as marcas de um dia dormido, vivido, gasto.
Abre a tua janela, deixa a poeira sair, renove o ar.
Sacode esse cobertor puído, dobra e põe no lugar.
Ajeita essa cama, estende o lençol. Deixa tudo arrumado porque a qualquer momento pode chegar alguém.
Levanta dessa cama que acolhe a tua felicidade, a tua febre, a tua insônia e a tua consciência, espantando a preguiça da vida com a tua vontade de recomeçar haja o que houver.
Veste aquele teu sonho bonito, que nasceu aí, numa dessas noites, e vai ver outras coisas e pessoas para nutrir a tua esperança.
Teus olhos não podem se acostumar à penumbra, então, destrava os trincos da porta, deixa vir, deixa entrar a energia renovadora do dia. 
Repara nos raios de sol que invadem teu espaço com várias cores e até nas partículas de pó que se movimentam em direção à luz. Faz desse espetáculo miscroscópico que toma conta da menina dos teus olhos a tua oração de agradecimento e renova a tua fé no quer que seja.
Levanta e sai  de casa. Sai de dentro de você. Sai das situações que te consomem, dos lugares que não te fazem bem, da vida de quem já não é o bastante para você. 
Você tem que sair para chegar em algum lugar.  Onde você quer ir? Acorda, levanta e vai. 

Sabrina Davanzo 


4 de mai de 2012

Bem-me-quer




Pétala
 a 
pétala 
a vida vai se desvendando no meu jardim.
Algumas vezes, 
dá de cair tristezas, 
um mal-me-quer aqui, 
outro ali.
Noutras, 
meus olhos têm de se acostumar às supresas 
de um bem-me-quer 
sem fim.
Eu, 
que sou raiz, 
recebo com serenidade o vento 
que faz tempestade de desprendimento 
e leva, 
uma 
uma, 
as pétalas de mim. 
Sabrina Davanzo