29 de jun de 2010

Exorcismo

Algumas pessoas chamam de egoísmo. Eu chamo de obsessão essa minha mania de só pensar em mim. Essa necessidade instintiva e vital de me compreender, me amar, me aceitar, fazer o que me deixa feliz. É um cuidado exacerbado.
Como todo obcecado, há dias em que surto e me odeio, me repudio, sinto uma raiva animalesca de mim. Preferia que eu não existisse. É um caso de autopossessão. Eu dentro de mim numa briga infindável pelo poder, pela direção da minha vida.

Sabrina Davanzo

28 de jun de 2010

Dúvida?



Sem ter todas as respostas, fico apenas com uma certeza: não estou aqui para entender.

Sabrina Davanzo

Exigência


A vida exige demais de mim quando só o que posso dar é amor. Parece que o amor está fora de moda, não serve, perdeu valor no mercado.
Ela quer meu sangue. Eu que nem o tenho mais correndo em minhas veias. O que eu tenho é uma lividez e apatia que me levaram embora as hemácias. Já que o amor não é aceito, ofereço estas gotas de sal que sei arrancar de dentro de mim com um pouco de contração dos músculos e nariz vermelho. Ai, essa vida exige demais.
O amor é tão leve.... e ela não o quer... e ela o rejeita.


Sabrina Davanzo


Receita


Sei muito bem do que é feita a eternidade:
pequenos minutos que me engolem,
horas que me consomem,
tempo que demora passar
e saudade de tudo o que fica.


Sabrina Davanzo

Sem(i)Deus



Como eu queria ser perfeita e imortal como os meus ídolos. Como eu queria que todos os meus erros fossem perdoados e camuflados em nome do que eu significo. Não tive a sorte de nascer no Olimpo. Minha mãe não me concebeu a partir de um semideus. Nasci anônima, desconhecida e sem graça. A mim não pertence o triunfo.
Seria esse o castigo para quem deseja ser mais do que cabe num corpo mirrado?

Sabrina Davanzo

Com todas as letras


Então, me diga você: de a a z o que é que falta para a gente se entender?


Sabrina Davanzo

27 de jun de 2010

Partiu


A felicidade é tão efêmera que quando me dou conta de que a estou sentindo ela já está indo embora.


Sabrina Davanzo

25 de jun de 2010

Composição


O ser mais delicado, mais sensível, não se compara ao que sou. Sou de papel de seda, asa de borboleta, casa de caracol, corpo de libélula. Não tenho composição definida. Sou etérea, sou completamente mortal.


Sabrina Davanzo

Sempre aparece...


Sempre tem um sol por trás das nuvens escuras. Dá para ver o seus raios entranhando o céu, dá pra sentir o seu calor.

Você não me engana, mau tempo. No fundo, eu sei que você queria ser bom. E vai ser. Eu sei! O sol vai aparecer.

Sabrina Davanzo

21 de jun de 2010

Acorda

Abre os teus olhos,
devagar,
que é pra luz não incomodar.

Estica os braços,
com força,
que é tempo de começar.

Levanta-te,
põe-te a sorrir
que é hora de ir.

É (a)manhã de novo
tens de acordar
é hora de despertar.

Sabrina Davanzo

20 de jun de 2010

Joguinho das relações



Tira daqui, põe ali. Tira dali, põe de cá. Não, volta. Arreda pra lá. Traz pra aqui. No final, só resta um. Eu.


Sabrina Davanzo




19 de jun de 2010

Inverso na Quina Galeria


O livro Inverso Meu - pequenas histórias para gente grande - está disponível na Quina Galeria aqui em Belo Horizonte. Se você tem interesse em comprar um mas tem preguiça de pedir pela internet ou não quer pagar frete, essa é uma ótima opção. Aproveite para ver as coisinhas lindas, de uma galera super talentosa, que vende por lá.

A Quina Galeria fica no Ed. Maleta, segundo andar, na Rua Augusto de Lima, no centro.


Sabrina Davanzo


18 de jun de 2010

Dias de feira



Segunda. Ausência. Terça. Ausência. Quarta. Ausência. Quinta. Ausência. Sexta. Ausência. Sábado. Ausência. Domingo. Ausência. Paciência. Não sei onde estou nos dias da semana.


Sabrina Davanzo

17 de jun de 2010

Piano


Ela desconfia que carrega um peso desnecessário em sua vida. Pior é que ela não sabe como se livrar dele.

Sabrina Davanzo


Joaninha



Joaninha tem bolinha
e é toda delicada.
Seja moça com pressa
ou desanimada,
quando vê Joaninha
fica toda apaixonada.


Sabrina Davanzo

Documento


Martinha sempre levava na bolsa apertada alguns recortes que gostava. Tinha para si que um documento frio e verde de identidade, definitivamente, não conseguia dizer quem ela era, não lhe traduzia o estado de espírito. Então, caso fosse preciso apresentar um documento, em qualquer ocasião, Martinha mostrava os recortes.

Certa vez, na repartição, o atendente com cara mal dormida lhe pediu: “Documento, mocinha”. E lá foi Martinha caçando um recorte que combinasse com aquele dia. Entregou ao homem o recorte de um dia de sol. Sem paciência, o funcionário devolveu o pedaço de papel e resmungou que aquilo não a identificava. Martinha insistiu: “identifica sim, Senhor. Pois hoje sou desse jeitinho que o Senhor vê. Sou serena, estou radiante e iluminada.”
Noutra vez, Martinha apresentou na entrada para o cinema a imagem de uma girafa distraída, olhando para o nada, porque se dizia nas nuvens, pensando na vida.
Poemas, letras de Chico, arco-íris, guerra de travesseiro, neném no colo, gatinho tomando leite. Tudo podia ser Martinha, menos aquela foto séria e sem expressão do seu documento que, tão equivocadamente, chamava-se identidade, posto que não identificava nada. Ninguém poderia dizer quem era Martinha através dele. Bastava prestar atenção nos recortes para conhece-la.

Sabrina Davanzo



Dúvida


Estou com vontade de mudar. Não sei se de coração ou de lugar.



Sabrina Davanzo

Pedalando


Viver é andar de bicicleta. É você quem escolhe a direção, basta segurar firme o guidom. Uma vez pedalando, você está sujeito a tombos e arranhões, mas vale a pena.
Considere a brisa no rosto, a liberdade. Pense no movimento das pernas que nunca param e em tudo o que irá descobrir pelo caminho.
Sim. Viver é andar de bicicleta. E é permitido, inclusive, levar uma companhia. Vem comigo?


Sabrina Davanzo


16 de jun de 2010

Machucado


Eu tenho uma ferida aberta que procuro esconder com curativos de mentira.
Mas acontece que feridas abertas são verdades escancaradas e mais cedo ou mais tarde sentirei suas fisgadas.
Preciso perder esse medo do “vai doer”, preciso perder essa aversão de ter que tocar nessa coisa feia para curá-la.
É difícil lidar com a verdade, esse antídoto amargo que incomoda, arde.
Por baixo do curativo confortável existe uma mentira dilacerando a minha pele. Preciso agir rápido, expor é a melhor forma de fazer sarar.
Essa ferida um dia será uma cicatriz. Um troféu tatuado em meu corpo mostrando que eu venci.

Sabrina Davanzo


11 de jun de 2010

Aqui embaixo



Daqui debaixo, pouco enxergo, ando meio cega procurando entender teus planos.
Será mesmo necessário?
Daqui, você parece brincar de ensinar lições em que os tombos são para valer.
O vento traz tua risada dizendo que vai passar, mas teu tempo é manso e caminha devagar.
Olhando daqui, é difícil compreender... não tenho a visão privilegiada do meu destino como você.
E todos dizem que você sabe o que faz... nunca erra, é bom e justo.
Eu o obedeço, mas não posso deixar de fazer uma pergunta: eu tenho cura?

Sabrina Davanzo

Se perguntarem...


Se perguntarem por ela, diga que está ausente, fora de si. Diga que partiu e não sabe quando volta, nem se esse é o seu desejo.

Diga que ela foi desatar os nós da garganta e o emaranhado do coração.
Avise que ela foi respirar fora do poço, tentar ouvir outros sons além de seus próprios soluços, escutar outra voz além de sua própria consciência.

Sabrina Davanzo

9 de jun de 2010

Wallpaper: Vento



Essa imagem aí em cima é um wallpaper que eu e o designer João Célio fizemos para a Papel e tudo.
Para baixar o seu acesse: http://papeletudo.com.br/blog/ e vá em Downloads. Aproveite para conhece o blog e os produtos gracinhas da loja virtual.

Sabrina Davanzo

Assimétrica


Eu gostaria de fazer poesias, mas me faltam as rimas. Minhas falas são só desencontros. Pareço não saber juntar a com b.
São tantas palavras que não sei o que fazer com elas. Essa vida cheia de opções...
E eu não sei o que escolher, não nasci para combinações.
Até hoje não sei o que é melhor para mim, quem dirá para compor uma métrica.
Meus olhos... Ah! Estes sim veem poesia em tudo. E são verdes...

Sabrina Davanzo

Disfarce


Pendurou nas orelhas brincos de diamantes que reluziam um brilho que não tinha.

Na boca, passou um batom vermelho sangue para lhe atribuir uma sensualidade que não possuía.
Colocou uma flor nos cabelos para exalar uma primavera que não sentia.
Calçou saltos que a deixaram de um tamanho que sozinha nunca alcançaria.
No pescoço, pendurou um pingente de chave que descansava perto do coração que nunca abria.
Pintou os olhos com sombra azul cor de um céu que nunca via.
Dançou a noite toda, empunhando garrafas de vodka barata, músicas com letras em alemão cujos significados nunca saberia.
Apossou-se de um desejo de liberdade que jamais conheceria.
Queria agir como louca, meio morta, meio viva, chamar atenção pela vivacidade de seus gestos como jamais se permitiria.
Era em pessoa, em carne e osso, uma valsa de negação: ESTA NÃO SOU EU. ESTA NÃO SOU EU.

Sabrina Davanzo

Passaporte


Pegou o mapa mundi em forma de globo no último compartimento da estante empoeirada. Colocou-o no chão e sentou-se a sua frente que nem um indiozinho. Rodou o globo, apontou o dedo, conferiu o destino, fechou os olhos e foi.


Sabrina Davanzo

8 de jun de 2010

Parei de brincar


Quem me dera se a vida fosse uma brincadeira em que eu pudesse estar “de altas” quando me desse vontade.
Quem me dera ser um brinquedo movido a pilha que para poupar energia precisasse ser desligado de vez em quando.
Meu sonho ficar ali quietinha na prateleira ao lado das miniaturas de carros de corrida.
Tem horas que me sinto bichinho de zoológico. Estou presa nessa minha história e sou obrigada a mostrar a cara, ainda que seja de poucos amigos. A vida é uma necessidade de acontecer. Só quero ficar no meu canto, sem pegar galei, sem escorrega.
“Espera. Tô de figas!”.


Sabrina Davanzo


7 de jun de 2010

Ressurreição



Violeta não cansa de renascer. Cada vez que amanhece murcha e cabisbaixa, penso com tristeza: "agora partiu"... E aí ela me surpreende fazendo brotar uma nova flor, cheia de vida e delicadeza. Tem me ensinado muito essa Violeta.

Sabrina Davanzo



Sal


Minha face é um leito a escoar o mar que não cansa de nascer nos cantos dos meus olhos.

Sabrina Davanzo

S.O.S


Estou aqui a ver navios e no vai e vem das ondas um ou outro marinheiro acena para mim. É um sinal de vida.

Sabrina Davanzo

6 de jun de 2010

Dons



Às vezes, eu queria poder resolver problemas, aliviar sofrimentos, cessar dores. Então eu lembro que só Deus tem esse dom. Espero e confio nele.

Para vovô. Um fiapianho de vida e lucidez.


Sabrina Davanzo


5 de jun de 2010

Poeira

Sou como a pedra feita de lama seca: pareço forte, mas com um aperto espatifo-me.
Quanto mais eu rolo, mais me desfaço, mais me despedaço.
É uma questão de tempo (e cessar de lágrimas) para que eu resseque, vire pó e vá para longe, grudada nos sapatos que me pisam sem nem imaginarem que um dia fui pedra de se fazer onda em rio.
Eu nasci poeira, por obra do destino e chuva forte, endureci. Mas ai... aquele que nasce sempre volta ao seu princípio. Espero pelo dia em que serei mais leve, em que serei mais eu. Espero pelo dia em que minha humilde existência não será empecilho no meio do caminho e, se por acaso, em alguém eu me agarrar, haverão de me sacodir e eu voarei.
Não terei um átomo de memória, pois nada além de mim mesma caberá em mim.
Sabrina Davanzo

4 de jun de 2010

Língua portuguesa


Como que por decreto, passam a não ter mais sentido gramatical as cartas que escrevi?

E quanto as juras metafóricas que professei?
Como desapropriar-me das palavras dos grandes poetas que usei para expressar de forma mais literal o que eu sentia?
Pretérito-mais-que-perfeito. Futuro do pretério. Futuro do presente.
De repente, desaprendi a conju(l)gar o verbo amar. Como traduzir saudade em outras línguas?
É uma nova regra. Não encaixo meu corpo nesse texto.

Sabrina Davanzo